O Governo português toma a iniciativa de integrar as resinas resínicas na monitorização e detecção de incêndios florestais

  • Início
  • /
  • O Governo português toma a iniciativa de integrar as resinas resínicas na monitorização e detecção de incêndios florestais
06 Jun 2019 12:50 PM
  • incendios
  • Resipinus
  • ICNF
  • Portugal
Alt

Em 29 de maio, foi assinado um protocolo entre a Resipinus (Associação Portuguesa de Destiladores e Exploradores de Resinas) e o Instituto para a Conservação da Natureza e das Florestas, para apoio financeiro e inclusão dos produtores de resina na monitorização e deteção de incêndios florestais na época 2019/2020. Este protocolo apoia ainda a aquisição de pequenos kits de intervenção para lidar com o fogo e colaboração em acções subsequentes. O protocolo foi assinado na presença de João de Freitas, Secretário de Estado das Florestas de Portugal, e João Lobo, Presidente da Câmara Municipal de Proença-a-a-Nova, aproveitando a Conferência Internacional "Resinero harvesting: Forests with a future", que decorreu entre 29 e 31 de Maio de 2019 no Município de Proença-a-Nova (Portugal) no âmbito do projecto Sust Forest Plus, uma iniciativa transnacional do Programa Interreg Sudoe através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

A assinatura do protocolo, entre Teresa Fidelis, Directora Regional do Centro ICNF, e Hilário Costa, Presidente da Resipinus, coincidiu com o encerramento da reunião de trabalho da Comissão de Acompanhamento da Conferência Internacional "Uso do Resinero: Florestas com Futuro" que reuniu os parceiros do projecto europeu Sustforest Plus na Câmara Municipal de Proença-a-a-Nova em 29 de Maio.

João de Freitas, Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, salientou que este protocolo é muito importante para Portugal e "a defesa das nossas florestas contra os incêndios florestais" (...) "que os produtores de resina têm um papel essencial a desempenhar nesta protecção porque são os guardiães desta floresta", acrescentou. Freitas sublinhou ainda que as áreas públicas onde há resina e as que estão dispostas a receber esta actividade, actualmente 8.700 hectares, vão aumentar sucessivamente nos próximos anos para uma média de 10% ao ano em Portugal. Freitas acrescentou que estes são pequenos passos que contribuem para a revitalização da produção de resina em Portugal, mas que o grande passo pode ser dado na negociação da Política Agrícola Comum.

Este protocolo é a continuação de uma proposta apresentada e trabalhada há vários anos pela Resipinus, no sentido de promover e enquadrar princípios de prevenção produtiva em territórios resinosos. A base desta proposta é a criação de condições para que, com o devido apoio, formação e supervisão, os trabalhadores do sector das resinas, para além da sua actividade de extracção de resina, possam efectivamente ser parte integrante da solução para o enorme flagelo dos incêndios florestais. Este protocolo é um primeiro passo que esperamos que venha a evoluir no futuro para alcançar estes objectivos de forma a criar o que poderíamos chamar de "resin zapadores", tornando efectiva a integração desta actividade na gestão florestal e aproveitando e pondo em prática o contributo que esta actividade pode e deve dar para o desenvolvimento rural dos territórios de pinhal.

A utilização deste esquema de trabalho inovador que combina a actividade produtiva com a protecção das massas florestais poderia ser aplicada a milhares de hectares de florestas resinosas no sul da Europa que, actualmente, sofrem cada vez mais o impacto dos incêndios, o que permitiria ganhar em eficiência e em recursos na luta contra os incêndios florestais.